terça-feira, 7 de junho de 2016

Dói muito desistir de alguém.


A gente faz tantos planos, sabe? Imaginando viagens, fotos, confraternização entre amigos. Nos imaginamos na vida de alguém que no fim das contas mesmo, somos mero ninguém. Pior do que desistir de alguém que nutrimos um sentimento forte, é sentir um sentimento forte por alguém que nunca sentiu nada pela gente, sabe? Não da mesma forma. É pior porque quando estamos em um relacionamento onde há mútuo sentimento, mútuo respeito, mútuo desejo, quando acaba podemos até se dá o direito de culpar o outro mesmo que tenhamos uma parcela de culpa. Mas... Quando não houve história e sim estória, é triste quando a gente desiste porque... É quase impossível desistir de algo que nem existiu. Meio contraditório, assumo. 

É meio cliché mas um dia a gente acaba criando vergonha na cara e aquele amor todo (se é que era amor mesmo, a gente nunca vai ter certeza) que sentia pelo coleguinha do lado, começamentos a sentir por nós. A nos respeitar, a nos colocar em primeiro lugar. 



Mas, não sinta vergonha de amar por dois. Sinta, meu bem, de não amar. De não sentir. De não oportunizar. De não querer. Ou apenas não sinta vergonha de nada.

Era pra ter sido e não foi.
Era pra ter amado e não amou.
Era pra ter sentido e não sentiu.
Era, mas não fluiu.

Quando a gente resolve desistir nada e nem ninguém consegue pausar nossa vontade. É mais forte do que o próprio sentimento, sabe? É tipo um casulo que sufoca e que a gente não consegue mais sentir a nossa própria respiração, só consegue imaginar como seria a respiração do outro. 

E não pense que é fácil desistir. E nem que o sentimento acabou. Não, não acabou. É que tem hora que é preciso ter um controle emocional controlado (entenderam? Nem eu. Rs) e virar a página. Ler outro livro. Fazer novas amizades. Viajar sozinho. 
Sei lá. Só não dá pra ficar no mesmo romance a vida inteira onde o mocinho nunca se apaixona pela mocinha certa. Nunca gostei muito de mocinhos, sempre são bem lerdos, inclusive. A vida não é uma novela mexicana que dá voltas e voltas e acaba em final feliz com os dois pombinhos indo viajar pra fora do país na noite de lua de mel.

A vida, meu bem, é bem real. Dura. Maltrata. E, ás vezes, a felicidade é ficar sozinho. A felicidade plena mora dentro de si. Experimente ser feliz sozinho e depois me conta se não fica mais simples ser feliz com alguém.

Dói muito desistir de alguém. Mas dói mais ainda de desistir da gente.

10 comentários :

  1. É ruim desistir de alguém, mas é melhor a gente ter alguém que nos ame também. Bjus!

    galerafashion.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu texto, já passei por situações parecidas e sofri muito, mas depois percebi que elas me fizeram crescer. Não dá pra amar alguém sozinho, amor só é bom quando é mútuo.
    Beijos
    Bluebell Bee

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. exato! só quando é mútuo!! a gente sofre... mas sobrevive! Bjoos

      Excluir
  3. Temos que pensar na gente em primeiro lugar, sempre. (Pimentas do Reino me lembra TANTO minha adolescência hahahaha)


    Beijinhos
    n. // www.fashionjacket.com.br

    ResponderExcluir
  4. Nossa... voltei no tempo, quando deixe pra trás o pai da minha filha, lá no México. Mas realmente, se desistir de alguém é ruim, desistir de nós mesmos seria muito pior.

    Beijo amôura !

    | O Blog Que Não é Blog |

    | Instagram: @aquelenaoblog |

    | Julinha e os Vídeos - Canal do Youtube |

    ResponderExcluir
  5. Eita que esse seu texto foi um tapa na minha cara.. Estou em uma situação quase parecida :(


    Blog Menina, surtei!
    www.MeninaSurtei.com

    Te espero no meu cantinho, beijão!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Volte sempre!
Bjs
@denilzefranca