sexta-feira, 22 de julho de 2016

Que tal a gente comemorar naquele vilarejo em Dimantina?


É que a gente tem essa mania de idealizar um romance estilo sessão da tarde travestido de anos 20, onde o amor era uma regra e não a exceção. A gente conhece alguém e vai logo imaginando como seriam os filhos dos cachorros que teriam. Apolo, Suzy, Fagner, Monalisa. Seriam o nome dos quatro gatos. Florentina, Priscila, July, o nome dos filhotes de pastor alemão que compramos na feirinha no fim de semana no Litoral. O que houve? É meio clichê querer ter a casa cheia de bichos em vez de filhos? Desculpe, meu bem, sei que você queria levar a Pérola pra ver você marcando um gol pra ela. Vai levar, mas daqui uns dez, quinze anos, quem sabe. Ainda tá cedo pra pensar em algo sério assim, né? Nós nem terminamos de pagar o apartamento na praia, morar na cidade tumultuada tem suas vantagens também, mas aquele sítio no interior do Paraná é perfeito pras férias de julho dos gêmeos, né? Também acho. Leva casaco, amor. Lá fora o clima tá fazendo solzão, mas a moça do tempo acabou de avisar que depois do almoço vai cair um temporal. Chego hoje um pouco mais tarde, vou sair do serviço e tomar umas duas caipirinhas com a Lê, você se importa de ficar com o carro hoje e me buscar mais tarde? Essa confusão com o uber me deixa apreensiva e os taxistas estão abusando sem taxímetro. Não vejo a hora do bebê nascer, amor. Será que vai parecer comigo ou com você? Tá chegando a hora do nosso aniversário de bodas de papel. Que tal comemorar naquele vilarejo em Diamantina que a gente amou na nossa primeira viagem juntos?

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Nasci na época errada: inspiração moda vintage

Eu sinceramente nasci na época errada. Em todos os sentidos. Sempre achei super chique e elegante ter um estilo meio século passado, sabe? Aquelas mulheres de saia/ vestido midi, aquelas estampas florais, em tons pastéis, as camisas mas folgadas? Então... AMO!
Separei algumas peças que me inspiro pra usar no dia a dia. Me julguem, mas prefiro elas do que aqueles vestidos curtos super colados que a gente mostra o que não deve. Heheheh =)

Florais e bolinhas, mas fofura impossível, né? Esse vestido longo com essas flores grandes como detalhe faz com que o vestido se torne elegante e bem feminino, sabe? Não é aquela estampa pesada que nos envelhece uns vinte anos.. Do outro, um vestido rodado em bolinha com a cintura marcado: retrô, sexy, porém sem vulgaridade. O corte em cima evitando o vestido ser decotado (que é o que só se acha nas lojas hoje) e o comprimento correto me fez está apaixonada por esse modelito <3!

Vocês assistem a novela das 18? 'Eta mundo bom', o nome: nós observamos muito esse tipo de roupa na novela. AMO olhar os looks e fico me imaginando neles. Esse primeiro com uma scarpin alta preta fica PURO CHARME! Esse segundo eu acho bem menininha, usaria com uma sapatilha sem detalhes, ele já tem detalhes demais, né? ;)
Saia midi: tem algo mais chique e charmoso do que uma mulher com uma saia dessa? Meudeusdocéu, gente.. Sou simplesmente apaixonada, principalmente rodada, sabe? Com uma scarpin mais baixa, uma carteira de mão ou uma bag grande de cor lisa no primeiro look e uma estampada no segundo: um charme!
O que vocês acharam? Usam, usariam, faz o estilo de vocês? Me adaptei a me vestir assim por causa do trabalho e acabei amando. Me contem o que acharam!

Beijo grande
Denilze França

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Traição não é um deslize, é uma opção

Hoje li algo interessante no facebook e comecei a refletir e cheguei a uma conclusão: traição não é deslize, é uma opção. Você não trai ninguém por acaso, porque a bebida contribuiu, porque seu namorado mora em outro estado, porque seus hormônios estão a flor da pele. Não existe nenhum 'porque' que justifique uma traição. Traição é uma opção, não é desvio de caráter, ela não é puta e tampouco ele é safado porque fez isso. Não, não são. São pessoas normais (embora eu ache isso uma puta falta de distúrbio de caráter, mas minha opinião não muda os fatos), que simplesmente decidiram que hoje o companheiro ou a companheira ia ganhar um belo par de chifres.

Simples? Simples.
Bonito? Nem um pouco. 
Ridículo, inclusive.

"Ah, mas o mundo é machista eu posso trair minha namorada porque sou homem."
"Ah, mas ele me traiu e eu vou pagar na mesma moeda"

Se você pensa assim, se ele pensa assim: vocês se merecem.

Vamos a uma historinha curta pra ver se você continua com esse pensamento que trair é legal mas ser traído não é legal:
Você tem uma pessoa interessante ao seu lado. Ela acredita no zodíaco e lá tava escrito que vocês jamais dariam certo. Ela é fã de jorge e mateus, mas pra se situar no seu mundo rock'n roll resolveu aprender as letrar de Metálica, assistir aquele seriado que você é viciado, aprendeu a jogar vídeo game só pra poder ter assunto com você. Atravessou quilômetros de distância pra ficar ao seu lado, se preocupa, tá sempre ali. Essa relação dura o que, uns meses? Beleza, relacionamentos tem dessas coisas de ondulações. Vocês discutiram porque um ex namorado da 5ª série comentou uma foto dela. Você, então, se acha no direito de sair com aqueles amigos má influências (que todos temos, inclusive) e pá: encontra uma mulher gata na balada e resolve trair. Se sentiu ali um macho alpha vingado. Até aí tudo bem, ok?

Do outro lado, sua namorada. Sabe da sua saída e já imagina o que vai acontecer. Prever, inclusive, porque mulher é bicho psicopata. E resolve ligar pra'quela amiga piriguete que você odeia. Mulher quando quer destruir o juízo de um homem, ela consegue: coloca aquela roupa que você odeia e tira várias fotos e passa a noite filmando no snap de como a vida é bela e você não faz falta alguma pra ela. Encontra um carinha mais ou menos na balada e te trai. Se sentiu vingada, a própria dona da porra toda. E aí, tudo bem, ok?

Não. Pra você, a mulher da sua vida virou uma puta.
Pra ela, o homem da sua vida virou mais um cafajeste da lista dos nunca mais quero ver na vida, tá bloqueado, me esquece até nunca mais.

Quem tá errado na história? Os dois. Mal não se paga com mal. Quantos vezes a pessoa que ta do seu lado teve que abrir mão de coisas que gostava, deixou de ir em lugares que amava pra poder ceder e evitar uma briga? Quantos carinhas ela deixou de se relacionar pra tentar algo com você? Quantos mulheres ele dispensou pra ficar contigo? 

Já pensou em se colocar no lugar do outro? E daí se ele te traiu? Termina esse relacionamento abusivo, vive teu luto pós relacionamento ninguém vai me amar jamais serei feliz de novo eu não mereço ninguém socorro vou morrer só e pratica o amor próprio. 

Ninguém merece um relacionamento de aparências. Se deu vontade de trair, trai. Mas antes verifica se a pessoa que está ao seu lado, aceitando você do jeito que você é merece isso tudo. E seja homem/mulher e assuma seu erro. Finalize o que te incomoda. Vai ser feliz. Mas não faça ninguém refém da infelicidade que você pode ocasionar.


sexta-feira, 15 de julho de 2016

I SIMPÓSIO TURISMO E EVENTOS: Atualidades e Perspectivas

Vamos falar de algo sério?
Estudantes da UFMA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO, do curso de Turismo,  estão organizando um MEGA EVENTO com apresentações de trabalhos científicos, palestras e mesas redondas, como execução do trabalho de conclusão de curso, sob a orientação do Professor Doutor Saulo Ribeiro dos Santos.




Acreditamos na importância da execução deste Simpósio Turismo e Eventos como forma de realizar na prática os ensinamentos obtidos em sala de aula, assim como disseminar informações e incentivar críticas e debates  sobre a temática eventos, mediante a participação de discentes, docentes, pesquisadores trade turístico. - André Araújo Gonçalves, Naiane Mendes Maranhão e Natasha Soares Marques, organizadores do evento.

Os trabalhos para apresentação tinham como data final até ontem, dia 13/07. Mas, se você não enviou o seu a tempo, não tem problema! O evento é aberto ao público e você pode (e deve!) ir para adquirir uma carga horária extra de conhecimento.

sábado, 25 de junho de 2016

Já te disse que a vida não é um final feliz de um best-seller?

Chega de lembrar de quem não lembra de você.
Isso mesmo!
Vá fazer uma viagem, pegue o primeiro ônibus que parar no ponto e vá pro lugar errado.
Pegue o celular e desconecte os dados móveis esse fim de semana.
Esqueça o facebook, o instagram e viva o melhor da vida offline.
Espere o amor da sua vida procurando e não sentada na frente da tela do cinema chorando com um final feliz de um best-seller sabendo que a vida NÃO É ASSIM.

ACORDA, ALICE!

Já te disse que a vida não é um final feliz de um best-seller?
Já, inclusive, vou repetir pra vê se você absorve por osmose: NÃO É. NÃO FOI. NÃO SERÁ. ACEITA.



Ah, mas é que...
É QUE NADA. ACORDA PRA VIDA E VÁ VIVER.

Perdeu o amor da sua vida pela milésima vez?

Sim, você não lembra mas foi pelo menos a quarta ou quinta vez que você me vem com esse papo bobo.

A primeira foi na quinta série, quando o garoto mais bonito da escola só começou a puxar assunto quando viu que a garota mais bonita da escola era sua irmã.

A segunda foi quando você esbarrou com um carinha na sua primeira balada. Ele te derrubou bebida, ficou preocupado e pediu desculpas. Parece cena de filme, né? POIS É, VOCÊ LOGO SE APAIXONOU e não descansou até que achou ele nas redes sociais. Até hoje ele nunca te aceitou.

A terceira foi na fila do banco. Você viu aqueles olhos azuis reluzindo o ambiente. Impregnando todo o estabelecimento com aquela sua fragrância favorita da chanel. SIM, ELE USA CHANEL E VOCÊ SE APAIXONOU POR ISSO. Mas quando olhou a aliança no seu dedo, foi uma semana sem parar de chorar porque perdeu o amor da sua vida.

A quarta foi no acampamento da igreja. Sim, você não lembra. Ma eu vou fazer questão de te lembrar, até porque foi recente. Você cismou que encontraria um cara perfeito se frequentasse a igreja. Te fez bem porque fez você ter uma crença forte. Mas o motivo principal não era o certo. Você sabe do que eu tô falando. Se apaixonou pelo baterista da banda. Nem olho azul, nem forte, um pouco acima do peso, inclusive. Simpático, talentoso, um homem de fé. O cara perfeito. Se não fosse gay.

A quinta vez foi naquele congresso nada ver que a gente nunca assistiu uma palestra. Você faz administração, eu odonto e o carinha direito. UM CONGRESSO TÃO NADA A VER QUANTO TUA PAIXÃO PLATÔNICA. Era tarde da noite e você não parava de admirá-lo. Perseguiu ele durante os três dias de congresso e ele foi somente educado com você. Cá pra nós, você assustou o cara né? Coméquelevaiquererumapsicopataquenemvocê?

Moral da história: ESSA NÃO SERÁ A PRIMEIRA E ÚLTIMA VEZ QUE VOCÊ IRÁ SOFRER.

ACORDA, ALICE!

Vá pegar uma sessão de um filme de terror qualquer (só não me chame pra ir junto que eu morro de medo).
Baixe o cd novo do Safadão e vá ser feliz desafinando na frente do espelho;
Pegue aquele livro de aventuras que eu te dei no teu último desamor que ainda tá lacrado e procura ler;
Troque o hamburger e o refrigerante diários por três meses de academia;
Faça um esporte se odeia musculação;
Vá meditar;
Mude a cor do cabelo;
Muda a armação do óculos.

VAI VIVER!

Não se humilhe. Se você tem que se humilhar pra ter atenção de alguém, DEFINITIVAMENTE essa pessoa NÃO MERECE SUA ATENÇÃO. Não naquele momento. Vocês não estão em sintonia. Ele pode ter outro alvo, sabe? Ele pode simplesmente não está (mais) afim de você. E outra, a gente não tem que obrigar ninguém a gostar da gente. Devemos sim, apenas, dá bons motivos pra pessoa querer está ao nosso lado. Diferente, concorda?

ACORDA, ALICE!

Vá visitar aquela sua amiga que mora do outro lado da cidade;
Vá pegar um trabalho novo e se empenhe nele.
Vá ser feliz e esquece quem te faz chorar.

Sério.

- Nossa, Deni, mas tu não tens coração.
- Ter até tenho, mas congelou. De vez em quando ele derrete, mas trato logo de deixar ele ali.. Intacto. Conservado contra as mentiras do meio ambiente. Contra as ilusões trazidas pelos radicais livres.

Vai viver.